domingo, maio 06, 2007

EM CALCUTÁ




EM CALCUTÁ




Chamou-te o Senhor Deus para as ruelas

Aonde, por miséria, se definha

E foste, sem receio de ir sozinha,

Cuidar dos infelizes que andam nelas.


Por ordem do Senhor, viveste ali;

Co'a força do Senhor, cuidaste deles;

Serviste, dos humildes, os mais reles,

Co'a graça que o Senhor te deu a ti.


E restam, nas imagens mais lembradas,

Os gestos dessas mãos abençoadas

P'lo dom da caridade, lenitivo


Da dor do indigente, fugitivo

Da vida e consciência dos humanos,

Tão frios e distantes quanto urbanos.




VITOR CINTRA


Do livro " À DISTÂNCIA "

3 comentários:

maresia_mar disse...

Olá,
eu adoro os teus poemas, tão cheios de conteudo, este então, Madre Teresa, uma grande mulher!

Bjhs e resto de boa semana

leituras disse...

Este soneto é talvez uma das descrições mais objectivas do que terá sido a grandeza da alma de Madre Teresa.

Boa semana

Vera disse...

Um poema lindíssimo e muito profundo em homenagem a uma grandiosa Mulher, Santa, Alma, que apenas um grande Poeta poderia colocar assim em palavras! Parabéns, meu amigo!

♥*´¯`*Beijinhos*´¯`*♥