domingo, maio 13, 2007

CHEIRO





CHEIRO



Teu corpo, poema ardente,
Frenética rima de ais,
Aurora, pedindo mais,
Com louco vigor, fremente.


Teu rosto, sorriso aberto,
Promessa, sonho, desejo,
Tornando-se a cada beijo
Tão quente, quanto tão certo.


E o dia feito uma hora,
Por entre os ais e os gemidos,
Festim, sem par, dos sentidos.


Mas, quando te vais embora,
Só fica o teu cheiro, intenso,
Enchendo o vazio imenso.





VITOR CINTRA


do livro " À DISTÂNCIA "


4 comentários:

leituras disse...

Simplesmente genial. Intenso na sensualidade, terno, ardente e intimista, um poema que nos arrebata.

Boa semana

Odele Souza disse...

Lindo, romântico e sensual.

Azoriana disse...

Lindo!

Tem um "Meme" à sua espera no meu blog.

Anónimo disse...

O encontro de um homem e uma mulher relatado com extrema sensualidade, paixão e ternura...
... e a solidão do depois...
na partida!
Abraços e minha grande admiração.
Zorilda