segunda-feira, fevereiro 14, 2011

TRAQUINAGENS

(imagem recolhida na internet)
.
Nasceram nos teus olhos tantos sonhos,
No tempo em que a infância, descuidada,
Vivia cada um pequeno nada
Em rostos desgrenhados, mas risonhos.
.
O mundo confinado à outra margem
Do rio que, correndo docemente,
Servia de recreio frequente,
Um muitas incursões da miudagem.
.
Não vinham dos adultos mais perigos
Do que esses que eram fruto dos castigos
Punindo, sem rigor, as «traquinagens»;
.
Mas muitos desses sonhos, que surgiam
À luz desses teus olhos, que sorriam,
Morreram, engolidos por voragens.
.
Vítor Cintra
Do livro: PASSAGENS

3 comentários:

Sandra disse...

Lindo!
É pelo sonho que vamos...

avesemasas disse...

Lindíssimo Vítor, os seus sonetos são sempre muito belos!

Beijinho,
Ana Martins

R.B.Côvo disse...

Quão traquina a gente não era! Um abraço.