quinta-feira, fevereiro 10, 2011

AGONIA

(imagem recolhida na internet)
.
Sinto rasgos de ternura
Ao ouvir coisas da vida,
P'ra sentir, logo em seguida,
Muitos outros de amargura;
.
Quantas vezes, por saudade
Do que resta na distância,
Não apenas na infância
Mas também na mocidade.
.
Trilhei vida, fiz caminho,
Quase sempre fui sozinho,
Sem arroubos, ou paixão;
.
Muitas vezes, derrotado,
Vi-me só, com gente ao lado,
Sem que alguém me desse a mão.
.
Vítor Cintra
Do livro: ENTRE O LONGE E O DISTANTE

3 comentários:

R.B.Côvo disse...

"Muitas vezes, derrotado,
Vi-me só, com gente ao lado,
Sem que alguém me desse a mão."

Isso é tão frequente! Eu que o diga!

Maria disse...

Lindissimo querido amigo, como sempre.
Quantas vezes estamos sózinhos no meio da multidão!
Tenha um maravilhoso fim de semana, pleno de alegria, paz e harmonia.
Beijinhos
Maria

carlos pereira disse...

Caro POETA Vitor Cintra;
Li, em tempos, que o soneto era a jóia suprema da literatura; este belo soneto, atesta a autenticidade dessas palavras.
Um forte abraço.