sexta-feira, fevereiro 04, 2011

CAPRICHO

.
Surgia do Olimpo, atarefada,
Europa, pondo os olhos no poeta,
Em busca de domínio sobre o Nada,
Perdido sob o céu azul de Creta.
.
Distante, noutro mundo, andava Zeus.
Não vendo a intenção libidinosa,
Julgava ser senhor, porque era deus,
Das ânsias dessa deusa caprichosa.
.
E a musa, que o poeta abandonara,
Ao provocar no homem sofrimento,
Cedeu à deusa o seu melhor momento.
.
Na força do capricho, cara a cara,
Usando seduções tais e tamanhas,
Levou-o às orgias mais estranhas.
.
Vítor Cintra
Do livro: Entre o Longe e o Distante

2 comentários:

R.B.Côvo disse...

Bom poema. Deixo-lhe o convite para que passe no meu espaço. Um abraço.

Maria disse...

Amigo poeta, excelente como sempre.
Boa semana
Beijinhos
Maria