sábado, agosto 28, 2010

CORAGEM

Perdida a inocência, na voragem
Das horas, dessa angústia que te fere,
Soubeste demonstrar que, ter coragem,
É mais do que se pensa, ou que se quer.
.
O mundo te deixou ao abandono
Depois que, qual farrapo emocional,
Te ter gerado, como cão sem dono,
Por gozo, irresponsável, de animal.
.
O frio, a fome, o sono, além do medo,
São todos os brinquedos que, criança,
Do mundo recebeste, como herança.
.
No teu sobreviver há um segredo
Que é feito de heroísmo e da carência,
Que cedo te roubou a inocência.
.
Vítor Cintra
Do livro ENTRE O LONGE E O DISTANTE

2 comentários:

carlos pereira disse...

Caro Vitor Cintra;

Mais um belo soneto, na linha da que nos habituou; o tema gerador de emoções, revela o lado mais preocupado e sensível do poeta, numa harmonia estética irrepreensível.
É um privilégio para mim. continuar a lê-lo.
Parabéns.
Um abraço.
Carlos Pereira

Sonhadora disse...

Meu querido Victor
Tocou-me muito o teu poema...Meu Deus...porquê as crianças.

Deixo beijinhos e o meu carinho
Sonhadora