quarta-feira, abril 28, 2010

Abro-me







 



Abro-me!

E, olhando o céu,
me vou,
ave sem asas
ao sabor da aragem
que o pensamento me sopra,
inconstante e leve,
rumo ao azul;
Mergulho infinito
ao meu eu interior.
E já não estou!
E já não sou
senão a projecção do longe,
que absorve a distância,
se repete,
e se perde no esquecimento.
E, sendo eu,
de novo,

Fecho-me!

VITOR CINTRA
do livro " Entre o Longe e o Distante "

4 comentários:

impulsos disse...

Olá meu amigo!
Hoje é dia de visitas inesperadas...

Já tinha tido o prazer de ler este teu belíssimo poema numa das páginas do teu livro.
Mas aqui soube-me melhor, talvez pelo som da melodia que se ouve em fundo... não sei.
Mas que soube, soube!

Beijo

Ministério da saúde disse...

Caro blogueiro,

A vacina contra Influenza H1N1, vírus que já matou 1.632 brasileiros, está disponível nos postos de saúde pública de todo o Brasil para pessoas com maior risco de desenvolver a forma grave da doença. A vacina foi testada, é segura e mais de 300 milhões de pessoas já foram imunizadas com esta vacina no Hemisfério Norte. Sábado, 24, começa mais uma etapa da campanha, voltada agora para a vacinação de idosos com doenças crônicas. No entanto, a população das outras etapas - jovens de 20 a 29 anos, grávidas, crianças maiores de 6 meses a menores de 2 anos e doentes crônicos com menos de 60 anos - ainda podem procurar os postos para se vacinar.Para mais informações sobre como se tornar um parceiro, escreva para fernanda.scavacini@saude.gov.br
Atenciosamente,
Ministério da Saúde

Maria disse...

Amigo,linda poesia como sempre. Aproveito para desejar um excelente fim-de-semana.

“A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você.” (Ralph Waldo Emerson)

Bjs do tamanho do infinito
Maria

Elliott disse...

poema lindo... bom conhecer.