quinta-feira, novembro 05, 2009

REFÚGIO
















Cai a noite, sopra o vento
Nas paredes da cabana;
Na lareira, um fogo lento
E o calor da sua chama.

Através duma vidraça
Vejo a neve, branca e fria,
Como manto, que ultrapassa

O sonhar da fantasia.

Chega o sono, no conforto
Do silêncio, que rodeia
Toda a vida desta aldeia.

Como barco num bom porto,
Ao abrigo das marés,
Sinto paz, mais uma vez.


VITOR CINTRA

do livro " Entre o Longe e o Distante "

1 comentário:

Sonhadora disse...

Victor
Tão sossegada a sua paz.
Lindo
Beijos