domingo, fevereiro 20, 2011

CARÊNCIAS

(imagem recolhida na internet)
.
Náufrago doutras vivências,
Órfão do tempo que passa,
Vejo nas minhas carências
Marcas de antiga desgraça.
.
Trouxe, dos tempos do nada,
Restos de vida malsã,
Feitos memória passada
Noutro viver, amanhã.
.
Sinto que a vida repete,
Sem eu saber o porquê
Disso - que mais ninguém vê -,
.
Cinco, seis vezes, ou sete,
Certas noções de viver,
Para que eu possa aprender.
.
Vítor Cintra
Do livro: Entre o Longe e o Distante

2 comentários:

R.B.Côvo disse...

Às vezes é preciso mesmo que ela repita. Abraço.

Eduardo Tornaghi disse...

Muito elegante teu pedaço.