quarta-feira, dezembro 01, 2010

BRAGANTINA

Amordaçado fora o reino inteiro;
O povo, empobrecido, escravizado.
Filipe, que a reinar era o terceiro,
Tratava com desprezo o povo errado.
.
Estava-se em Dezembro, no primeiro.
Em actos de revolta consertados,
Matando, na Ribeira, o conde Andeiro,
Entravam em acção os conjurados.
.
E logo todo o povo de Lisboa,
Num brado «Viva o Rei!», que longe ecoa,
Se junta aos conjurados e os anima,
.
Como todo o Portugal se agigantando
E o Duque de Bragança no comando,
Nascia a dinastia Bragantina.
.
Vítor Cintra
Do livro: DINASTIAS

2 comentários:

carlos pereira disse...

Caro amigo POETA Vitor;
Que belo soneto, na passagem dos 370 anos da recuperação da independência nacional perante o jugo filipino.
EXCELENTE.
Um abraço.

ISA disse...

Amigo Victor lindo soneto e tanto representa a independência Nacional.
Parabéns!
Um abraço