quarta-feira, março 24, 2010

Paranóias...poema de...VITOR CINTRA






















A quem vê sempre mistérios
Em assuntos pouco sérios
Tudo pode acontecer;
Num delírio que nos pasma,
Cada canto seu fantasma,
Muito pouco há a fazer.

Adianta dar remédio
A quem tem por mal o tédio
E não quer coisa nenhuma?...
Vale mais fazer de conta
Que, por ser de pouca monta,
Não é mal que nos consuma.

Só se co'o correr do tempo
Se alterar o pensamento,
É que a vida se refaz;
Se um desgosto te consome,
Para quê trocar-lhe o nome?...
Se não mudas... tanto faz!


Vitor Cintra
do livro " ECOS "

2 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
Lindissimo poema, como sempre.
Deixo o meu carinho e um beijinho.

Sonhadora

Å®t Øf £övë disse...

As paranoias são mesmo delírios que nos assolam a alma.