sábado, julho 04, 2009

Duendes


DUENDES

Andam duendes à solta
Nalguns caminhos 'scondidos,
Só quem apura os sentidos
Pode senti-los à volta.

Ouvem, alguns, gargalhadas,
Outros só ouvem gemidos,
Nesses atalhos seguidos
Em noites mais estreladas.

É nesse mundo risonho,
Sem um temor desmedido,
Que cause dor, ou revolta,

Que, quem viveu um tal sonho,
Se mostra mais convencido
Que andam duentes à solta.

Vítor Cintra
do livro: Pedaços do Meu Sentir

7 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO AMIGO VITOR, BELÍSSIMO SONETO... ADOREI!!!
BOM FIM DE SEMANA... ABRAÇO-TE COM TODO O MEU CARINHO,
FERNANDINHA

Luz disse...

Tenho que levar este poema aos meus meninos, pois eles andam muito intrigados com as fadas e os duendes.
Como alguns já privaram com as fadas, quem sabe se não encontraram duentes também?
se calhar vive algum no prédio da mariana e anda na"Caminheta" da Lia. Mas que definitivamente passam lá pela escola, isso é uma certeza...
obrigado pelo belíssimo poema, mais uma vez. Para o próximo Ano Lectivo vou trabalhá-lo com eles...
Contigo sempre
Luz

Manel do Montado disse...

Como sempre qualquer adjectivo que não seja fabuloso é incapaz de desccrever a arte e a inspiração que preenchem a tua veia poética.
Um abraço

PS: Gostei do ritmo.

manzas disse...

Passando para sorver e saborear
Cada letra, palavra, frase, poema ou poesia…
Para ler e ver, este jeito e modo de vida,
O do universo das palavras!
Pensamentos que aludo!
Porque ler, sentir e sonhar
Para muitos… pode dizer nada!
Para outros… o nada pode dizer tudo!

Um fim-de-semana
Cheio de momentos e palavras
De amor e alegria!

-MANZAS-

mariabesuga disse...

sentidos soltos
duendes brincando
uns de tão "brejeiros"
nos vão enganando...

gosto de duendes e de fadinhas nas estórias de encantar. as estórias de verdade também podem ser encantadas...

Odele Souza disse...

Bem que eu gostaria de estar por um tempo com os duendes. Quem sabe se eu ler e reler teu poema em voz alta, eles não se aproximem..? Vou tentar, caso não venham os duendes, eu e Flavia teremos decorado este teu belo poema.E então, já terá valido a pena a tentativa.

Um forte abraço.

Å®t Øf £övë disse...

Apesar de o meu mundo ser bem risonho, não sei se deva acreditar na existência de Duendes.
Abraço.