terça-feira, março 03, 2009

AMUOS



Com motivo - ou talvez não-
Por capricho, uma mulher
Prende o burro quando quer.

Não está na nossa mão
Encontrar a solução
P'ra que tal não aconteça.
Muito embora não pareça,
Quando a ela lhe convém
Desamarra. E tudo bem!


Como se não fosse nada
Faz-nos crer, dessa maneira,
Que findou a baboseira.
Mas a birra sem sentido
- Artifício pretendido -
Foi apenas adiada.
Porque não foi terminada,
Quando for conveniente
Volta à liça, novamente.
Repetida cada vez
Que tal possa ser motivo
P'ra dar força ao que ela fez.

Um só modo há, de fazer
Para não enlouquecer.
É armar em vingativo!
E, dum modo compulsivo,
Não deixar desamarrar,
Quando a birra lhe passar.

Não ceder a qualquer choro,
A repente, desaforo,
Ou chilique. Ter presença.

Que a um dia de nirvana
Corresponda uma semana
Repleta de indiferença.
Na recusa da sentença
Há que ser mais resoluto.
Se não muda ... dar-lhe o " chuto ".
VITOR CINTRA
do livro " Mumúrios "

4 comentários:

Ana Martins disse...

Lindo e divertido!
Gostei muito!!!!!

Beijinhos,
Ana Martins

manzas disse...

Sublimes versos escapam das almas dos poetas
Viajando até ao fundo dos céus como balões …
Suspensos ficam no tecto brilhando poesias inquietas
Reflectindo olhos orvalhados em prados de emoções

Dedicado a todos
Os poetas e poetisas
Deste mundo,
Os que já adormeceram,
E aos outros
Que ainda nem sono têm...

Bem hajam!

Um resto de uma boa semana...

O eterno abraço…

-MANZAS-

Emanuel Azevedo disse...

Gostei muito deste teu trabalho.

Saudações de Angra do Heroísmo.

Menina do Rio disse...

Com isso estás a dizer
que somos donas do burro
e olha que nem sussurro
desempaca essa mulher

Mas a birra tem sentido
embora não lhes pareça
Talvez uma dor de cabeça
Não te sintas preterido


Poema bem humorado e afiadinho...

Beijos