domingo, abril 06, 2008

INFIDELIDADE



INFIDELIDADE

Intensas relações te consumiram,
Negando o tão sagrado juramento.
Fiel?! ... Só aos caprichos que te viram
Instável, egoísta, cata vento.
Despidos os princípios e valores,
Errante no prazer dos teus amores,
Liquidas, insensível, teus pudores.
Imperam os sentidos nos favores.
Desprezas, na luxúria do momento,
Aqueles que os impulsos não seguiram,
Deixando que a razão e sentimento,
Esgotem, sem sentido, o que sentiram.

VITOR CINTRA
do livro " Relances "


4 comentários:

Odele Souza disse...

Acho extremamente difícil este tipo de poema, formando uma palavra à direita. Tu o conseguiste de forma magistral.

Um beijo.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido amigo Vitor, belíssimo poema... Extraordinário!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

Jorge P.G disse...

Magnífico acróstico, nada fácil de construir, encimado por um belíssimo quadro do Leon Perrault - "Um belo reflexo", ele que foi um dos expoentes cimeiros da pintura figurativa francesa do séc.XIX.

Os meus cumprimentos.
Jorge P.G.

Manel do Montado disse...

Forte, emotivo, directo e duro.
A crueza das tuas palavras aliadas ao extraordinário talento para a poesia, possibilitam este jogar com as palavras, os sentimentos e a realidade que é teu timbre.
Parabéns pela genialidade, é pouco.
Um abraço