sábado, julho 01, 2006

COMPANHEIRA





COMPANHEIRA



Quando o sol beijou a lua,
Num seráfico jardim,
Minh'alma chamou a tua
E o amor nasceu assim.

Eram tempos de ternura
Onde sonhos irreais,
Num enlevo de candura
Se mostravam tão reais.


Mas o tempo, de tão lesto
Ao passar, deixou atrás
Coisas boas, outras más.


Num sonhar bem mais modesto
Transformou tudo, num gesto,
Mas também nos trouxe a paz ...



Vitor Cintra


Do livro " RELANCES "

6 comentários:

Hilda disse...

Em poucos versos ... uma vida!
Lindo, poético, racional e sentimental e junto a isso a sensibilidade do poeta e da Alma de Poeta ...parabéns aos dois!

Hilda disse...

Voltei Alma, para dizer que, apesar de sermos concorrentes, votei no teu blog para o Prêmio The Best ... você merece!

maresia_mar disse...

«quando o sol beijou a lua».. haverá coisa mais bonita? Amei mais este poema.. Bjhs e boa semana

Cecilia Cunha disse...

Muito sensivel, é bom amar e ser amado assim

Manel do Montado disse...

Mais um do extenso rol de qualidade que aqui se lê.
Vou mas volto.

Águas da Vida disse...

LIndo seu blog estou visitando os 20 indicados para o premio the best e o seu realmente merece.
Parabéns darei meu votinho para seu blog.
Big Kiss