sábado, setembro 24, 2011

DESESPERO

(Imagem recolhida na internet)
.
Num certo dia, bem cedo,
Quando se ergueu, manhãzinha,

Viu-se a criança sozinha,
Abriu-se a porta do medo.
.
No rosto lágrimas, dor,
Chamando com desespero:
«Mãezinha!... Mãe, eu te quero!...
Mãe, onde estás?... Por favor...»
.
Num choro tão soluçado,
O coração, apertado,
Cativo desse abandono,
.
Foi, num passito apressado,
Perder-se num mundo errado,
Medrosa do próprio sono.
.
Vítor Cintra
Do livro: FRAGMENTOS

3 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido Victor

Um poema lindo cheio de ternura e doçura, adorei e deixo um beijinho carinhoso.

Sonhadora

Profundos Conhecimentos disse...

só sabe o que é solidão quem sentiu no peito suas mãos gravadas e sabe o quanto é difícil ganhar liberdade.

Camila Couto disse...

Vc deveria escrever um livro...seu talento transpassa as telas do computador e chega em nossos corações.
Abraços.