sábado, janeiro 08, 2011

LONGE

(imagem recolhida na internet) .

Entre o longe dos teus olhos
E a distância das raízes,
Lembro dias mais felizes
Longe deste mar de escolhos.
.
Lembro um tempo, sem idade,
Julgo ouvir-te e o que me dizes.
-Turbilhão de tantas crises,
Toda a minha mocidade -.
.
Vejo, imagem da saudade,
O teu rosto, sorridente,
Que me anima docemente;
.
E, vivendo a crueldade
Dum deserto de distância,
Sinto a dor da minha ânsia.
.
Vítor Cintra
Do livro: ENTRE O LONGE E O DISTANTE

1 comentário:

Maria disse...

Amigo um poema profundo, de uma nostálgia tal que toca o coração de quem lê.
"Poesia é quando uma emoção encontra o seu pensamento e o pensamento encontra palavras." (Robert Frost)
tenha um Domingo maravilhoso
Beijinhos
Maria