sábado, maio 13, 2006

ÁS VEZES





ÁS VEZES


Às vezes choro.
Às vezes canto.
Outras namoro
‘squecendo o pranto.

Às vezes sinto,
Às vezes não.
Outras desminto
O coração.

Às vezes sonho.
Às vezes faço.
Outras, suponho,
Só embaraço.

Às vezes trago,
Às vezes levo.
Outras apago.
Quando me atrevo.

Às vezes vejo,
Ás vezes não,
Outras desejo
Não ter razão.

Às vezes calo,
Ás vezes digo.
Outras só falo
Se for comigo




Vítor Cintra


Do livro “ Ao Acaso “

2 comentários:

MEDUSA disse...

É...
Ás vezes é assim!!
Bjos

Saramar disse...

Poeta, um dos mais perfeitos poemas que encontrei entre tão belas palavras, todas as que escreve.
Puro deleite!
Voltarei, sempre.

Beijos