terça-feira, maio 30, 2006

DÓI






DÓI



Quero-te tanto que dói!
Mas, nesta dor miudinha,
Profunda, doce, daninha,
Há um encanto d'esperança.
Nela tu és, por lembrança
Dos tempos da mocidade,
O mito da f'licidade,
Que o meu desejo constrói.


Por cada mulher que vejo.
Sinto ternura e desejo.
E todas as que conheço
Acho bonitas, confesso.
Mas sinto, porque te quero,
A dor do meu desespero.


Aquelas, com quem cruzei,
Só possuí, nunca usei.
Não fiz batota com elas,
Nem fiz promessas balelas,
Dei, nessas posses, carinho.

Não quis vivê-las sózinho.


Mas esta dor, que corrói
A mente, como a vontade,
Resulta da intensidade
Do teu fascínio. Enquanto
Minha alma cede ao encanto,
Meu corpo grita bem alto,
Sentidos em sobressalto:
Quero-te tanto que dói !


Vitor Cintra


Do livro " Contrastes "

4 comentários:

Angélica disse...

Oi kerido..obrigada pela visita..vim te deixar beijo..e uma otima semana.. e conhecer seu blogger..adorei..vc tem o mesmo gosto ke eu pelas mensagens e poemas..meu estilo..ultimamente nao tenho postado muito poemas..fikei meia assim..pq tem dois blogger..de anjinhos crianças.ke entram la p comentar...me visitar..rsrss fikei com vergonha..deles..rsrrs... beijao p ti!! volte sempre..mais todos os dias tá..

Um Poema disse...

"Por cada mulher que vejo,
Sinto ternura e desejo."
Confessá-lo não é difícil. Difícil é saber dominar-se.
Um abraço.

Papoila disse...

Este poema vai muito mais além do desejo. Fala-nos do Amor, esse sentimento que nos marca pela eternidade.
Muito bonito.
Beijo

DE PROPOSITO disse...

A poesia é algo que nos permite devanear. Através dela há a hipótese de sonhar, sonhar.
Manuel